SER FAMILIA
Emissão Online
 
2017-02-11 00:00:03
O Criador Encarna
“E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Aquele que Se manifestou em carne, foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, e recebido acima na glória.” I Timóteo 3:16.

A encarnação de Cristo é o mistério de todos os mistérios. 6BC, pág. 1082.

Cristo era um com o Pai, todavia esteve pronto a descer da exaltação de Alguém que era igual a Deus. ST, 4-7-1895.

Para poder realizar o Seu desígnio de amor em benefício da raça caída, tornou-Se osso do nosso osso e carne da nossa carne. ST, 24-9-1902.

Quão vasto o contraste entre a divindade de Cristo e a impotente criança da manjedoura de Belém! Como podemos nós medir a distância entre o poderoso Deus e a desamparada criancinha? Não obstante o Criador dos mundos, Aquele em quem habitava corporalmente a plenitude da divindade, manifestou-se no impotente bebé da manjedoura. Incomparavelmente mais elevado do que qualquer dos anjos, igual ao Pai na dignidade e glória, e todavia revestido da humanidade! A divindade e a humanidade estavam misteriosamente combinadas, e o homem e Deus tornaram-se um. 5BC, pág. 1130.

Teria sido uma quase infinita humilhação para o Filho de Deus, revestir-Se da natureza humana mesmo quando Adão permanecia no seu estado de inocência, no Éden. Mas Jesus aceitou a humanidade quando a raça estava enfraquecida por quatro mil anos de pecado. Como qualquer filho de Adão, aceitou os resultados da operação da grande lei da hereditariedade. O que estes resultados foram, manifesta-se na história dos Seus antepassados terrestres. Veio com essa hereditariedade para partilhar das nossas dores e tentações, e dar-nos o exemplo de uma vida sem pecado. DN, pág. 34.

Os que pretendem que era impossível que Cristo pecasse, não podem crer que Ele tomasse realmente sobre Si a natureza humana. Mas, não foi Cristo realmente tentado por Satanás, não só no deserto, como também no decorrer de toda a Sua existência, desde a infância até à idade adulta? 7BC, pág. 929.

O nosso Salvador revestiu-Se da humanidade com todas as suas contingências. Tomou a natureza do homem com a possibilidade de ceder à tentação. Não temos de suportar coisa nenhuma que Ele não tenha suportado. DN, pág. 87.

 

Por:
Partilhe:
newsletter
Copyright 2017 Rádio RCS